terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

O conluio para proteger os privilégios.

A Casa Grande que retomou o poder executivo federal brasileiro após o golpe, uma vez que já dominava os demais poderes - judiciário, principalmente, e legislativo, este comprado - opera desde então um grande conluio para afastar a senzala dos seus espaços e manter a ralé brasileira - na concepção de Jessé Souza - longe de seu convívio.
Percebam nos discursos de seus representantes como há uma proteção mútua. Como cada um busca proteger o privilégio do outro com o objetivo de preservar o seu.
Sim, proteger seus privilégios em detrimento dos esfacelamento dos direitos da maioria dos brasileiros.
Cada dia que passa as frases da conversa nada republicano entre Jucá e Machado se torna mais verdade: "um grande acordo nacional", "com o supremos, com tudo".
O aprofundamento das desigualdades a partir desse mecanismo de sustentação da casta brasileira a partir do aumento da miserabilidade do resto da sociedade pode nos levar a consequências imprevisíveis a partir do aumento da violência.
Só os loucos guiados pela ganancia pagam para ver até onde isso vai.

Judiciário nu.

O judiciário brasileiro está cada dia mais desnudado.
E a medida que seus privilégios vão sendo expostos, seu cinismo de classe abastada vai se revelando.
Num país em que o salário mínimo não chega a 300 dólares, apenas um "penduricalho" - auxílio moradia dos juízes - custa por cada juiz mais de 1.300 dólares.
Um escárnio com a maioria do povo brasileiro, principalmente porque temos um judiciário, que além de parcial, ele é inepto e ineficaz.

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Difícil previsão.

O que nossa elite, através do aparelho jurídico, policial e midiático, tem feito para evitar a eleição de Lula neste 2018 vem provocando ruptura institucionais de graves consequências no futuro próximo.
Primeiro rasgaram a Constituição para realizar o impeachment da presidenta Dilma. O congresso - o mais conservador e obscuro da história da república brasileira - realizou a toque de caixa e desrespeitando a legislação o afastamento de Dilma.
Na sequência, o parte do judiciário, representado pelo juizeco e procuradores de Curitiba investiram suas poucas capacidades para"fantasiar" histórias, incriminar e condenar o presidente Lula e assim alija-lo da disputa presidencial de 2018.
Na semana passada o golpe se aprofunda com um novo capítulo condenatório ao ex presidente. Com o único objetivo de preservar o juizeco de Curitiba, os desembargadores do TRF 4 ampliaram a pena num consenso raro, conforme especialista na área jurídica.
Todos estes acontecimentos são acompanhados e divulgados, que por vezes aparentemente até combinados com a grande mídia venal brasileira. Ela representa o braço ideológico e catequético do golpe.
Tudo isso representa enfim o aprofundamento da luta de classes no Brasil. E é de difícil previsão saber onde iremos parar com tal acirramento.

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Em defesa da democracia.

Amanhã por todo o Brasil ocorrerão manifestações em defesa do presidente Lula e da democracia. Ecoarão de norte a sul os gritos de milhões de brasileiros a reafirmar que eleição sem Lula é fraude. 
No Ceará de tradição de luta - lembremos de Bárbara de Alencar, Chico da Matilde e Bergson Gurjão - haverá atos em diversas cidades.
Anotem, se programem e compareçam.
Ceará
24/01 - Fortaleza | 8h | Ato na Praça da Justiça Federal (Centro)
24/01 - Cratéus | 8h | Ato com concentração na Sede da Justiça Federal
24/01 - Sobral | 7h | Ato com Concentração na na Praça de Cuba
24/01 - Quixadá | 8h | Ato na Praça Coronel Nanan
24/01 - Limoeiro de Norte | 7h | Ato na Praça da Justiça Federal
24/01 - Cariri | 9h | Ato na Praça da Prefeitura de Juazeiro do Norte

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Meu desejo.

Olá meus caros leitores.
Confesso a vocês que meu desejo é escrever diariamente neste blogue. Ocorre que as inúmeras tarefas de trabalho e estudo, na maioria das vezes preenche o dia de forma tal que aquelas ideias que surgem na mente caem no esquecimento e, já fadigado ao anoitecer, é impossível recuperá-las.
Daí as postagens serem intermitentes.
Hoje por exemplo, durante o labor, muita coisa sobre o julgamento do presidente Lula e os acontecimentos políticos nacionais me trouxeram à mente muitos argumentos a serem desenvolvidos. No entanto, nada virou rascunho e quase nada restou para ser escrito neste momento de cansaço físico e mental.
Espero que o sono reparador reaviva estes argumentos e amanhã eu possa colocar cada um numa postagem destes blogue.

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Nossa pobreza cultural.

A prefeitura de Paracuru anunciou como será o carnaval de 2018.
Como?
O de sempre. De vários anos. De décadas.
E a discussão se será bom ou não? A mesma. De anos, de décadas.
As bandas prestam. Não prestam.
Tem paredão? Não tem paredão?
Tem mela mela. Não tem mela nela.
Ou seja. Uma pobreza cultural de dar dó.
Fico imaginando cá com meus botões se não somos - enquanto sociedade e poder público - de fazer algo diferente. Algo culturalmente melhor.
Não temos a capacidade de criar um concurso de Rei Momo e da rainha do carnaval?
Não somos capazes de criar um festival de marchinha? Marchinhas que façam a crítica social de modo humorado.
Somos incapazes de fazer um desfile de blocos, cada um com sua música própria e original, também com capacidade de criticar nossos problemas? Fazendo de forma humorada e irreverente o combate a violência contra as mulheres, combatendo a homofobia ou a exploração de crianças e adolescentes?
Ficaremos para sempre presos ao paredão de som e ao "rala bunda no chão"?
Ou pior, ao invés de combater o estupro, seremos seus incentivadores pondo pra tocar de forma estridente "músicas" - se é que podemos chamar assim - que exaltam este tipo de comportamento?
Me recuso a acreditar que o povo de Paracuru, ou melhor, o povo brasileiro é incapaz de fazer um carnaval melhor.
Prefiro sonhar que somos mais inteligentes e mais capazes de "culturar" uma das marcas registradas de nosso país.
Sejamos mais.
Sejamos melhor.
Quem topa mudar esta história?

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

De quem foi a ideia?

Na última semana, na localidade da Volta,  um grande número de peixes de diversos tamanhos apareceram mortos na principal lagoa de lá.
O fenômeno aconteceu coincidentemente após a secretaria municipal de agricultura e pesca promover a soltura de alevinos naquela lagoa.
A população preocupada busca explicação para o fenômeno.
Já a prefeitura elaborou sua resposta.
Segundo matéria da TV Jangadeiro veiculada ontem, a prefeitura informa que se trata de um fenômeno natural que acontece todos os anos.
A comunidade não concorda e não recorda deste fenômeno anual.
Apreensiva segue a buscar explicações.
Então?
Vai se ficar com esta resposta mesmo?
Não tem uma explicação mais aprofundada não?
Quem foi que teve essa ideia que não convence e nem casa com a realidade?

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Há muita coisa que não se vê.

A calmaria por qual passa o mar da política de Paracuru nos últimos dias, após o tsunami que afastou o ex-gestor, esconde tramas e articulações dignas de Maquiavel e Sun Tzu.
É possível o retorno do ex-prefeito? Estão sempre a me perguntar. 
O que responder? Isso é uma incógnita. Depende de dois poderes. 
Primeiro da justiça. E como acreditar que a justiça será feita num país onde os representantes deste poder tem cada dia mais, sem nenhum tipo de pudor, atuado de forma política. Portanto, deste poder pode vir tudo. Inclusive a garantia do retorno do ex-prefeito.
Outro poder que pode - deve - intervir no caso é o legislativo. Inteirado do material que levou a justiça a afastar o ex-prefeito, de posse de documentos que se encontram na mão do Ministério Público, os edis tem o dever de apurar a responsabilidade do ex-gestor e decidir por seu impeachent ou não. 
É por este caminho que estão a se desenvolver muitas conversas e muito disse me disse. E só teremos a certeza do que acontecerá na câmara de Paracuru quando a mesma retornar do recesso.
Lembrando que até ser afastado o ex-prefeito tinha maioria naquela casa, graças a ação do presidente.
Vale também alertar que grupos políticos não diretamente ocupantes de cargos atualmente, mas com atuação discreta e incessante na gestão desde o início de 2017 e até hoje, segue se movimentando com muito interesse no desdobramento deste caso que não está encerrado. Afinal de contas o afastamento do ex-gestor foi determinado por 180 dias e não definitivamente. 
De minha parte estou apenas na expectativa do que acontecerá. 
E você, tem alguma aposta a fazer?

domingo, 14 de janeiro de 2018

Será sempre a vista de um ponto.

A avaliação de um governo será sempre a posição momentânea de uma balança. Nos pratos o que foi feito - de um lado - e o que falta ser feito - de outro.
Além de tudo, vai depender de onde se olha.

sábado, 13 de janeiro de 2018

Aforismo

A ignorância ou desconhecimento não casam com a a competência. É impossível ser competente desconhecendo o objeto de seu ofício.