quarta-feira, 28 de março de 2018

O nome do ódio é fascismo - por Joan Edesson de Oliveira

“E Nhô Augusto fechou os olhos, de gastura, porque ele sabia que capiau de testa peluda, com o cabelo quase nos olhos, é uma raça de homem capaz de guardar o passado em casa, em lugar fresco perto do pote, e ir buscar da rua outras raivas pequenas, tudo para ajuntar à massa-mãe do ódio grande, até chegar o dia de tirar vingança.”

João Guimarães Rosa, em A hora e a vez de Augusto Matraga


Mestre João Guimarães sabia de coisas. O que vivemos hoje no Brasil combina perfeitamente com a sua descrição. Setores cada vez mais agressivos babam de ódio enquanto aguardam pelo dia de tirar vingança. Essa vingança só se consumará com a prisão de Lula ou com coisa pior, a julgar pelos ataques recentes contra a sua caravana. A massa-mãe do ódio grande é alimentada diariamente pelas outras raivas pequenas.

Há uma escalada nesse ódio. É como se, nos últimos anos, ele perdesse o pudor, a vergonha. Não é que ele não existisse antes. Esse ódio é antigo. Comparem a fotografia de um homem com um relho na mão açoitando um manifestante e vejam uma das gravuras de Jean-Baptiste Debret do açoite de escravos. As imagens são muito parecidas. O ódio de hoje é descendente direto daquele ódio do passado. Se compararmos as duas imagens, veremos ali a comprovação da afirmação do sociólogo Jessé Souza, de que “o ódio ao pobre é a versão moderna do ódio ao escravo”.

Há uma máquina em funcionamento para alimentar e fomentar esse ódio. Não podemos achar que ele se resume aos que estão nas ruas, seja o agroboy bem-nascido, louro e de olhos azuis, seja o mulato remediado que ignora que aquele ódio se voltará contra ele cedo ou tarde. Por trás desses há uma engrenagem de fabricação do ódio, em grandes conglomerados empresariais, em redações de jornais e emissoras de televisão, em agrupamentos políticos.

Há um ódio desgrenhado, ensandecido, de pedras e paus e relhos na mão, que toma as ruas. E há um ódio comportado, disfarçado, escondido sob ternos bem cortados e habitando em salões requintados. O segundo manipula os cordéis que põem os primeiros em movimento. Mas eles são um só, a sua matriz é a mesma.

O nome do ódio é fascismo, essa é a sua alcunha. Alguns amigos reclamam do uso da palavra. Dizem que assim banalizamos o fascismo, que não é bem isso, que é outra coisa, que não devemos usar o termo em vão. Temem a palavra fascismo. Querem caracterizar o que há como episódios banais de violência, da violência nossa de cada dia, e não como violência política, explicitamente política, com claro lastro ideológico. Agem como os bruxinhos de Hogwarts, que não pronunciavam o nome de Voldemort, achando que assim estariam a salvo das suas maldades.

Mas não há outro nome. O ódio que vimos hoje, essa massa-mãe de ódio grande da qual falava o mestre João, atende por esse nome, responde pelo nome de fascismo. Para quem duvida, recomendo a leitura do texto “O fascismo eterno”, de Umberto Eco, facilmente encontrado em rápida pesquisa na internet. Ali, ele elenca quatorze características do fascismo contemporâneo, afirmando que basta a existência de uma delas para que em seu redor se forme uma “nebulosa fascista”. Leiam o texto e garanto que encontrarão pelo menos metade daquelas características no Brasil de hoje.

Se esse ódio é representação do fascismo, não há outro caminho senão combatê-lo e derrotá-lo. E só podemos derrotá-lo com unidade e luta. Sem a combinação dessas duas variáveis não há como chegar a vitória. Uma grande e ampla frente em defesa da democracia pode barrar o avanço do fascismo. Para isso, é necessário primeiro reconhecer que há uma ameaça fascista, sem tergiversar, sem tentar lhe dar outros nomes.

Ou reconhecemos que há uma ameaça e nos dispomos a construir a unidade para o seu enfrentamento, ou sucumbiremos tal como nhô Augusto frente aos porretes dos cacundeiros do Major Consilva. Os cacundeiros, já vimos, estão nas ruas, com relhos, pedras, porretes e revólveres nas mãos.


Publicado originalmente em: Portal Vermelho

terça-feira, 20 de março de 2018

O Capital no Século XXI


Concluo com imensa satisfação a leitura deste livro sobre a economia mundial e o capital no século XXI.
Recomendo a leitura para todos aqueles que buscam compreender a acumulação de riqueza e a desigualdade durante o período compreendido entreo o século XIX e início do XXI. Alem de conter dados e ensinamentos importantes deste período histórico em relação às grandes economias mundiais, há propostas de debates para o controle do capital no início deste século.
Vale a pena a leitura atenta e paciente desta obra.

quinta-feira, 15 de março de 2018

#Luto#Luta

Ninguém, mas ninguém mesmo, pode ser condenado à morte por defender uma causa. Ainda mais quando sua causa combate as injustiças sociais. Sejam sua origem - sistema capitalista - ou em suas consequências - violência e degradação humana.
Não podemos aceitar que a vida de uma pessoa seja banalizada por defender os excluídos ou os nunca incluídos de nossa sociedade.


quarta-feira, 7 de março de 2018

Diário da manhã.


Concluo de forma prazerosa e entrecortada a leitura deste primeiro diário do conterrâneo Josué Montello.
Nos rememora o tempo em que havia preocupação com a boa escrita.
Em breve início a leitura do segundo: Diário da tarde.



Violência e desigualdade.

Não adianta subir morro e invadir favela para prender e matar preto, pobre com ou sem envolvimento com o crime, se as condições de sobrevivência mínimas continuarem piorando. Emprego, renda, educação, cultura, são áreas para as quais deve ser direcionado o escasso recurso público e que terá como último resultado uma sociedade menos desigual e menos violenta. Insistir apenas na repressão como combate à violência é enxugar gelo, como se diz. Pode por marinha, exército e aeronáutica dentro das favelas que não vai solucionar o problema da criminalidade. Matarão e prenderão dezenas e estimularão o surgimento de milhares. É uma conta irracional.
Todos os estudos econômicos e sociológicos comprovam o aumento da violência associado ao aumento da desigualdade. Então, qualquer ser humano minimamente inteligente deduzirá que o combate a violência deve ser em sua essência o combate à desigualdade.
O momento exige, portanto, mais racionalidade e menos imbecilidade/paixão na discussão de um problema tão sério como é a violência no Brasil.

sábado, 3 de março de 2018

Preguiça de pensar ou falta de inteligência?

Lamento profundamente que o brasileiro simplifique os graves e complexos problemas de seu país. E ao fazê-lo busque simplificar as soluções.

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

O conluio para proteger os privilégios.

A Casa Grande que retomou o poder executivo federal brasileiro após o golpe, uma vez que já dominava os demais poderes - judiciário, principalmente, e legislativo, este comprado - opera desde então um grande conluio para afastar a senzala dos seus espaços e manter a ralé brasileira - na concepção de Jessé Souza - longe de seu convívio.
Percebam nos discursos de seus representantes como há uma proteção mútua. Como cada um busca proteger o privilégio do outro com o objetivo de preservar o seu.
Sim, proteger seus privilégios em detrimento dos esfacelamento dos direitos da maioria dos brasileiros.
Cada dia que passa as frases da conversa nada republicano entre Jucá e Machado se torna mais verdade: "um grande acordo nacional", "com o supremos, com tudo".
O aprofundamento das desigualdades a partir desse mecanismo de sustentação da casta brasileira a partir do aumento da miserabilidade do resto da sociedade pode nos levar a consequências imprevisíveis a partir do aumento da violência.
Só os loucos guiados pela ganancia pagam para ver até onde isso vai.

Judiciário nu.

O judiciário brasileiro está cada dia mais desnudado.
E a medida que seus privilégios vão sendo expostos, seu cinismo de classe abastada vai se revelando.
Num país em que o salário mínimo não chega a 300 dólares, apenas um "penduricalho" - auxílio moradia dos juízes - custa por cada juiz mais de 1.300 dólares.
Um escárnio com a maioria do povo brasileiro, principalmente porque temos um judiciário, que além de parcial, ele é inepto e ineficaz.

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Difícil previsão.

O que nossa elite, através do aparelho jurídico, policial e midiático, tem feito para evitar a eleição de Lula neste 2018 vem provocando ruptura institucionais de graves consequências no futuro próximo.
Primeiro rasgaram a Constituição para realizar o impeachment da presidenta Dilma. O congresso - o mais conservador e obscuro da história da república brasileira - realizou a toque de caixa e desrespeitando a legislação o afastamento de Dilma.
Na sequência, o parte do judiciário, representado pelo juizeco e procuradores de Curitiba investiram suas poucas capacidades para"fantasiar" histórias, incriminar e condenar o presidente Lula e assim alija-lo da disputa presidencial de 2018.
Na semana passada o golpe se aprofunda com um novo capítulo condenatório ao ex presidente. Com o único objetivo de preservar o juizeco de Curitiba, os desembargadores do TRF 4 ampliaram a pena num consenso raro, conforme especialista na área jurídica.
Todos estes acontecimentos são acompanhados e divulgados, que por vezes aparentemente até combinados com a grande mídia venal brasileira. Ela representa o braço ideológico e catequético do golpe.
Tudo isso representa enfim o aprofundamento da luta de classes no Brasil. E é de difícil previsão saber onde iremos parar com tal acirramento.

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Em defesa da democracia.

Amanhã por todo o Brasil ocorrerão manifestações em defesa do presidente Lula e da democracia. Ecoarão de norte a sul os gritos de milhões de brasileiros a reafirmar que eleição sem Lula é fraude. 
No Ceará de tradição de luta - lembremos de Bárbara de Alencar, Chico da Matilde e Bergson Gurjão - haverá atos em diversas cidades.
Anotem, se programem e compareçam.
Ceará
24/01 - Fortaleza | 8h | Ato na Praça da Justiça Federal (Centro)
24/01 - Cratéus | 8h | Ato com concentração na Sede da Justiça Federal
24/01 - Sobral | 7h | Ato com Concentração na na Praça de Cuba
24/01 - Quixadá | 8h | Ato na Praça Coronel Nanan
24/01 - Limoeiro de Norte | 7h | Ato na Praça da Justiça Federal
24/01 - Cariri | 9h | Ato na Praça da Prefeitura de Juazeiro do Norte