quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Rumando para o caos...

Quando a gente imagina que nada pode ficar pior algumas coisas nos surpreendem e nos mostram que ainda não se chegou ao fundo do poço.
Ontem fiz uma postagem sobre os equipamentos odontológicos com defeitos que impedem a população a ter acesso a tratamento odontológico básico.
Hoje recebo informação de que, em uma debandada só, três médicas que trabalham no programa de saúde da família em Paracuru deixarão este fim de semana suas equipes por insatisfação com as condições salariais e de trabalho.
Fico então relembrando e refletindo e isto me leva a pensar no título da obra de Gabriel Garcia Marquez, Crônica de uma morte anunciada.
O que quero dizer é que a forma desorganizada e até certo ponto irresponsável  como o campo da saúde vem sendo conduzido nos últimos anos nestas terras de Antonio Sales só pode resultar em caos e desastre. 
O caos está aí batendo às portas. E o desastre se dá todo dia quando um cidadão deixa de ter seu direito à saúde garantido por problemas de gestão.
Para corroborar o que digo em relação à falta de compromisso com o mínimo de zelo pela gestão pública, cito o caso do convênio da Santa Casa de Paracuru.
Na condição de instituição filantrópica, o hospital só pode receber recurso do Fundo Municipal de Saúde através de um convênio ou contrato. Neste convênio deve conter as obrigações da Santa Casa na prestação de serviços e a obrigação da Secretaria Municipal de Saúde de repassar os recursos necessário.
Início do ano passado o convênio havia perdido sua validade e precisava ser renovado em novos termos financeiros. A Secretaria levou à reunião do Conselho Municipal de Saúde um termo de convênio restrito à função de urgência e emergência da Santa Casa, deixando de fora as questões relacionadas ao atendimento cirúrgico e ambulatorial, por isto foi rejeitado parcialmente pelo plenário. A Secretaria se compromesateu em enviar um novo convênio a ser assinado pelas partes. E sabem o que ocorreu caros leitores? Até o presente momento o convênio não retornou, não foi renovado. O que nos termos estritos da lei implica em descumprimento de alguns preceitos legais. Além de ser um desrespeito ao Conselho de Saúde e aos cidadãos, pois o hospital perde o referencial de valores fixados e fica a receber o que der na telha do gestores de plantão.
Nunca quis, nem quero ser o pregador da desgraça, mas é com razoável clareza que se vê os atos desatrosos da gestão da saúde em Paracuru, que se não causa tragédias visíveis a todos, causa dor e sofrimento ocultos nas faces daqueles que mais necessitam de assistência à saúde, a camada mais pobre da população.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Uma saúde em Paracuru como nunca se viu... II

Constam nos cadastros do Ministério da Saúde a existência de 10 equipes de saúde bucal e um Centro de Especialidades Odontológicas no município de Paracuru.
Mas de que serve tanta coisa se atualmente apenas três destas equipes se encontram em funcionamento? Isto mesmo, caros leitores. Se alguém desejar tratamento odontológico, através do  Sistema Único de Saúde (SUS), nestas terras de Antonio Sales só encontrará em apenas três unidades de saúde.
O que se comenta é que por falta de pagamento aos fornecedores a empresa responsável pela manutenção dos aparelhos odontológicos deixou prestar seus serviços.
Mas independente de qual seja o motivo da paralisação no atendimento, o certo é que a população mais uma vez sofre pela falta de competência e pelo descaso com o atendimento odontológico.
E a frustração das pessoas em busca de atendimento de saúde com qualidade não pára por aí não. É sabido por todos através das mídias locais a falta de material médico-hospitalar nas unidades de saúde de Paracuru.
Uma triste realidade para o povo que mora numa cidade cuja a renda per capta se aproxima de R$ 1.500,00.
 

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Setembro agitado.

Por ser este o último mês para filiações partidárias ou mudanças de partido para quem tem interesse em disputar as eleições municipais de 2012, setembro já está sendo - chegamos à metade dele - bastante movimentado e promete esquentar mais ainda até o dia 30.
Aqui em Paracuru as coisas andam a mil por hora.
O Partido Progressista (PP), liderado pelo ex-prefeito Ribeiro, vem sofrendo baixas a cada dia que passa. Algumas de peso. O atual vereador Carlos Alberto de Castro (Carlão) já anunciou que deixará seu ninho/partido, pois rompeu com seu líder e sua sucessora. Fez inclusive duras declarações no plenário da Câmara Municipal sobre sua relação com ambos. Também anunciou a saída do PP o ex-vereador Edileno Moreira.
O Partido Social Cristão (PSC) presidido pelo vereador Haroldo, também tem baixas importantes. Já havia se desligado do partido o suplente de vereador Nildo do Flor do Mar que migrou para o PV. Recentemente a ex-vereadora Ieda também apresentou seus desligamento. É possível que haja mais baixas significativas, neste que é, atrás do PP, o segundo partido de sustentação da prefeita Érica de Figueiredo.
Por falar em Partido Verde (PV), este mudou de comando, antes nas mãos de Adriano Barbosa, apesar da adesão do Nildo, já citado, e do empresáro Evilásio, também apresenta algumas baixas, com  a saída do próprio Adriano, do pastor Jairo e outros militantes antigos, mas preservou seu vereador Zé Manoel.
O PMDB antes comandado por Jackson Carvalho, hoje está nas mãos do dr. Moraes que reafirma diariamente seu desejo de disputar o poder executivo municipal.
O PCdoB que teve o desligamento do vereador Magão no inicio do ano, agora se prepara para realizar sua Conferência Municipal, quando apresentará filiações de peso, como a do comerciante Sidney Gomes, um dos nomes mais citados atualmente quando se fala em eleições para prefeito de Paracuru. O partido espera agregar mais lideranças até o dia 25 de setembro - data da Conferência.
Estas são algumas movimentações já declaradas e percebidas, mas tem muita poeira debaixo deste tapete e muita água para rolar debaixo desta ponte que liga SETEMBRO A OUTUBRO.
Vamos esperar para conferir. A partir de seis de outubro já saberemos o canto de cada um.