sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Equipe de transição em Paracuru.

Como todos sabem, este ano, pela primeira vez na história de Paracuru, foi formada uma equipe de transição governamental. Algo inédito, mas acima de tudo importante para a continuidade da gestão das políticas públicas, principalmente dos serviços essenciais para a população.
Por parte do prefeito eleito Sidney Gomes foram indicados cinco nomes. Já a atual gestão colocou seus staff à disposição para prestar informaçãoes, além de disponibilizar alguns assessores jurídicos para acompanhar o desenvolvimento dos trabalhos.
A equipe foi formalizada em 05 de novembro passado, na presença do promotor de justiça e doz juiz da comarca de Paracuru. Desde então a equipe se encontra com regularidade para promover a troca de informações sobre as diversas questões que envolvem a gestão pública municipal. Esta na verdade é a principal função da equipe de transição. 
O propósito primordial da transição é que o novo prefeito obtenha informações sobre como "anda a máquina" pública. Saber como estão as finanças (arrecadação e despesas), a infra-estrutura dos prédios públicos, a conservação dos bens patrimoniais, a situação dos funcionários públicos, são alguns itens de interesse da equipe.
É importante que fique claro que a transição não tem a função de promover auditoria ou fiscalização na prefeitura, como alguns pensam. A equipe também não tem o poder de já gerenciar as contas ou as ações da prefeitura, como outros imaginam.
Portanto, para que fique claro, o trabalho da equipe é de fornecer o máximo de informações possíveis para que o novo gestor a partir do de primeiro de janeiro já possar tomar decisões de modo a não haver interrupção dos serviços públicos. 
Quanto as possíveis irregularidades cometidas por esta gestão neste fim de mandato, todo cidadão tem o direito, e no meu entender o dever, de fiscalizar e em caso de suspeita denunciar ao Minitério Público ou outro órgão competente. E não apenas ficar choramingando pelas esquinas - vituais ou não.
E como é sabido, pois o promotor declarou na rádio comunitária "amiga do poder", Mar Azul FM, o Ministério Público já investiga possíveis atos de desmonte na atual gestão. Fatos relacionados ao fim da banda de música, fim do cursinho pré-vestibular, não repasse de recursos para a Santa Casa, e até medicamentos com prazo de validade vencidos, serviram de ponta pé inicial para as investigações.
Agora é aguardar o desenrolar dos acontecimentos.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Novela mexicana.

A peregrinação dos funcionários públicos, demitidos no início de novembro pela prefeitura de Paracuru, em busca de reaver seus postos de trabalho continua.
A frequência da presença deles junto ao fórum, especificamente na sala do promotor, tem aumentado a cada dia.
Como é sabido o promotor recomendou que os funcionários se mantivessem no trabalho. Por outro lado a gestão insiste que os funcionários estão demitidos.
A peleja, ao que parece, não tem previsão para terminar.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Se findará no lixo? Ou, uma nova epidemia?

Atualmente a população de Paracuru vive apreensiva em relação aos problemas de saúde que podem decorrer do acúmulo de lixo na cidade.
Em cada esquina do município é possível constatar amontoados de lixo não recolhidos pelo poder público.
Ao que se sabe, a prefeitura quebrou o contrato que mantinha com a empresa Guimarães, até pouco tempo realizadora da coleta de lixo.
Além do aspecto estético, pois o acúmulo de lixo não se trata, evidentemente, de nenhuma decoração natalina, a falta da coleta pode comprometer a saúde dos cidadãos.
Episódios de diarréia, infecções diversas e, principalmente, um novo surto de dengue são alguns problemas de saúde que podem se agravar com o lixo espalhado pela cidade.
Vale lembrar que este ano a cidade passou por uma epidemia de dengue. Tivemos 343 casos confirmados da doença colocando Paracuru entre as dez cidades cearenses com maiores incidências.
Estamos há exatos 42 dias de encerrar 2012. Será que esta gestão que ora se finda, se findará em meio ao lixo e nos deixará como legado o risco de uma nova epidemia de dengue?

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Um fim antes do fim de ano? Ou, cadê o reveillon?

Uma perguta, dentre tantas que se faz nas esquinas democráticas destas terras de Antonio Sales, começa a ganhar mais força.
Haverá festa de reveillon na praça de eventos de Paracuru?
É bom recordar que esta gestão que ora se finda - pelo jeito em meio ao lixo - sempre foi marcada por uma afinidade a festas das mais diversas.
Em ano não muito distante chegou a serem realizadas seis festas em menos de 12 meses. Foi Carnaval, Semana Santa, Festival MultiCultural, Feira das Comunidades, Festa do Município e Reveillon.
A prefeita fazia questão de dizer que era uma forma de gerar renda para os cidadãos daqui.
E agora não é mais necessário gerar renda?
"Um dos maiores reveillon do estado". Não era isto que o multisecretário afirmava?
"Uma das maiores queimas de fogos". Não era isto que se falava? (Ainda que os fogos fossem soltos em intervalos generosos)
De repente tudo isto foi dissipado. Até o momento não se fala no evento - reveillon. Não se sabe será realizado. 
Pra dizer a verdade, não se sabe nem se esta gestão chega ao seu fim. Ou se seus fim será antecipado.
 

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Você "dito" cidadão concorda!!??

Ora vejam. As contradições que imperam nesta nossa sociedade de cada dia.
Esteve ontem em votação na Câmara Federal o projeto de lei que altera a partilha dos royalties do petroléo no Brasil. O governo fedreal emitiu, através do ministro da educação, Aluizio Mercadante, solicitação para que os deputados aprovassem mudança que obrigava a utilização de 100% dos royalties em educação. 
A União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) e a União Nacional dos Estudantes (UNE) se mobilizaram, por diversos meios, inclusive as redes sociais, para requerer aos mesmos deputados que seguissem a orientação do governo federal.
Por outro lado a Confederação Nacional dos Municípios (CNM) fazia lobby para que tal mudança não fosse aprovada.
Mas vejam, até poucos dias atrás, muitos destes prefeitos estavam sobre palanques levantando como bandeiras de gestões futuras ou de continuação de administrações a EDUCAÇÃO. Muitos, de forma hipócritas, e outros não, estavam a discursar que o futuro do Brasil passa por uma educação de qualidade. Digamos, que passa por uma educação em tempo integral.
Certamente, este mesmos ao assumirem seus mandatos - os que ganharam - utilizarão como desculpas, às vezes com certa razão, que para melhorar a educação é preciso que haja mais recursos financeiros.
Mais então me digam. Se um futuro melhor para o nosso país passa necessariamente por uma melhor educação desde a atenção básica à fomração profissional e universitária, e para tê-la assim é preciso mais dinheiro, por que cargas d'água - como se diz - não se uniram este "benditos" prefeitos aos estudantes na luta por mais recursos para a educação.
E a sociedade como se posiciona diante disto? Cadê os "ditos" cidadãos?
Vai ver estão muito preocupados com algum caso amoroso de novela, se vai dá certo ou não, para se ocupar com tal coisa.
Aí depois saem na rua usando frases de efeito repetitivas de que no Brasil não se investe em educação. Que no Brasil todos os políticos são corruptos que só pensam em si, nos seus bolsos.
E você "dito" cidadão não pensa só em você? No seu bolso? 
Você pensa no coletivo? Na sociedade? É verdade? Então me diga qual sua opinião em relação a isto.
Por que não aproveitou e pelo menos compartilhou as mensagens da UNE e UBES em favor dos 100% dos royalties para educação, nas redes sociais? Tenho certeza que pelo menos uma vez deve ter visto algo do tipo na sua tela.
Daí, amanhã se aparecer na sua tela ou lhe perguntarem na rua qual sua opinião sobre a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos, é muito provável que você concorde afinal de contas tem muitos marginais nesta idade. Ou, tem muitos marginais usando menores para praticarem delitos, crimes. E vai dizer que não é porque são menores que não devem pagar pelo que fizeram.
Ah, tá. Sei.
Então você não liga ou até concorda que não se invista mais dinheiro em educação, digamos, mais uma vez, em educação em tempo integral. Mas concorda com a redução a maior idade penal.
Vamos ver se eu entendi a lógica: o Estado vai contribuir com a falta de educação de qualidade para a formação de novos marginais para depois prendê-los ou quem sabe matá-los, afinal de contas há quem defenda a pena de morte, também. E você "dito" cidadão concorda. Ou não concorda, mas tem problemas pessoais demais para se preocupar com isto também. 
Ah... E ainda dizem que são os políticos que só pensam em si e nos seus bolsos.