terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

O conluio para proteger os privilégios.

A Casa Grande que retomou o poder executivo federal brasileiro após o golpe, uma vez que já dominava os demais poderes - judiciário, principalmente, e legislativo, este comprado - opera desde então um grande conluio para afastar a senzala dos seus espaços e manter a ralé brasileira - na concepção de Jessé Souza - longe de seu convívio.
Percebam nos discursos de seus representantes como há uma proteção mútua. Como cada um busca proteger o privilégio do outro com o objetivo de preservar o seu.
Sim, proteger seus privilégios em detrimento dos esfacelamento dos direitos da maioria dos brasileiros.
Cada dia que passa as frases da conversa nada republicano entre Jucá e Machado se torna mais verdade: "um grande acordo nacional", "com o supremos, com tudo".
O aprofundamento das desigualdades a partir desse mecanismo de sustentação da casta brasileira a partir do aumento da miserabilidade do resto da sociedade pode nos levar a consequências imprevisíveis a partir do aumento da violência.
Só os loucos guiados pela ganancia pagam para ver até onde isso vai.

Judiciário nu.

O judiciário brasileiro está cada dia mais desnudado.
E a medida que seus privilégios vão sendo expostos, seu cinismo de classe abastada vai se revelando.
Num país em que o salário mínimo não chega a 300 dólares, apenas um "penduricalho" - auxílio moradia dos juízes - custa por cada juiz mais de 1.300 dólares.
Um escárnio com a maioria do povo brasileiro, principalmente porque temos um judiciário, que além de parcial, ele é inepto e ineficaz.